Conheça os 5 tipos de incontinência Urinária

    Antes de sair de casa, participar de uma reunião ou assistir um filme, certamente, todo mundo dá uma passadinha no banheiro para esvaziar a bexiga e não passar por transtornos e constrangimentos. Assim, fica fácil perceber como a Incontinência Urinária pode prejudicar o convívio e o bem-estar de uma pessoa. Não é à toa que hoje é o Dia Mundial da Incontinência Urinária, data ideal para prestar atenção nos sintomas, conversar sobre o tema e conhecer sobre as causas e tratamentos, por meio de um artigo como este. Vamos lá.

    Que a Incontinência Urinária é uma doença que causa perda involuntária de urina todo mundo já sabe. Mas pouca gente conhece os tipos dessa doença. Sim, existe mais de um tipo de Incontinência Urinária, mas todos eles causam desconforto e precisam ser diagnosticados para não trazer problemas mais sérios para o dia a dia do paciente. Os 5 tipos e seus respectivos sintomas principais são:

    1. Incontinência urinária de esforço: perda de urina ao rir, espirrar ou em qualquer outra atividade que faça pressão na bexiga, já que a pessoa fica sem força na musculatura pélvica.
    2. Incontinência urinária de urgência: desejo intenso de urinar, sem tempo de chegar ao banheiro. Uma doença que, geralmente, tem origem na Síndrome da Bexiga Hiperativa.
    3. Incontinência urinária por transbordamento: vazamentos que acontecem por causa da bexiga cheia ou gotejamento causado pela bexiga que não se esvazia completamente.
    4. Incontinência urinária funcional: acontece pela impossibilidade de se ir ao banheiro.
    5. Incontinência urinária mista: tem os sintomas de diversos tipos de Incontinência Urinária.

    Assim como são diversos os tipos de Incontinência Urinária, suas causas também podem variar. Entre elas estão as mudanças no organismo ou problemas físicos não aparentes, como as alterações ligadas à gravidez, menopausa, histerectomia, obstrução do trato urinário ou ao envelhecimento, câncer de próstata e parto. A doença também pode ser causada por distúrbios neurológicos e pelas lesões na coluna. Outras causas podem ser as doenças facilmente tratáveis, como estresse, infecção urinária e até prisão de ventre.

    Além disso, alguns alimentos, medicamentos e algumas bebidas podem ser diuréticos e ampliar o volume de urina na bexiga, causando a Incontinência Urinária. Entre os exemplos, podemos citar a cafeína, o álcool, o xarope de milho, chás, refrigerantes, adoçantes, alimentos ricos em especiarias, açúcar, ácidos e cítricos. Os medicamentos para doenças do coração, pressão arterial, relaxantes e sedativos também são possíveis causadores assim como doses elevadas de vitaminas B ou C.

    Os fatores de riscos incluem idade avançada e ser do sexo feminino, já que o número de ocorrência em mulheres é quase duas vezes maior do que nos homens. A raça branca também é mais afetada e propensa a ter incontinência urinária de esforço em comparação com afro-americanos e asiáticos. Além das doenças neurológicas, a diabetes também aumenta o risco de incontinência, assim como a obesidade, que gera pressão na bexiga e enfraquece os músculos ao redor do órgão.

    Quando o assunto são os tratamentos, eles podem variar conforme os sintomas e tipos de incontinência. Mas uma curiosidade interessante é que nem todos os casos precisam ser tratados. Como a doença está associada diretamente à qualidade de vida, os casos mais leves nem incomodam os pacientes, portanto melhoram pela melhora dos hábitos, sem que sejam tratados. Entretanto, os casos mais graves, que podem acarretar infecções urinárias e mau funcionamento dos rins, carecem de tratamentos emergencial. É bom consultar o médico.

    Entre os diversos tipos de tratamentos que podem ser receitados em conjunto, estão as dietas e outras técnicas comportamentais para controlar a bexiga e programar as idas ao banheiro, além da cinesioterapia do assoalho pélvico e exercícios de Kegel para fortalecer os músculos pélvicos. Além disso, o tratamento pode utilizar terapias de intervenção, estimulação elétrica, medicamentos, e dispositivos médicos. Se nada funcionar efetivamente, pode-se recorrer a cirurgias, como de suspensão do colo da bexiga, de prolapso e outras. Absorventes e cateteres podem ser indicados quando nenhum tratamento solucionou o problema totalmente.

    Interessante, né? Agora você já sabe o suficiente para cuidar da sua saúde e conscientizar as pessoas ao seu redor sobre o Dia Internacional da Incontinência Urinária. Afinal, não devemos deixar que uma doença tão incômoda tire o sossego e bem-estar da vida das pessoas. Qualquer dúvida, é só comentar abaixo que nós responderemos o mais rápido possível.

    Deixar uma Resposta